Em 2004, por iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação as Instituições de pesquisa “Museu Paraense Emílio Goeldi - MPEG” e “Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA” implementaram o Programa de Pesquisa em Biodiversidade – PPBio, cuja missão seria o desenvolvimento de uma estratégia de investimento em ciência e tecnologia que priorizasse e integrasse competências em pesquisa e transferência de conhecimento em biodiversidade, gerando, integrando e disseminando informações que pudessem ser utilizadas para diferentes finalidades, facilitando a gestão do patrimônio natural e fortalecendo ações de pesquisas para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Assim, haveria a articulação das competências regionais através da criação e manutenção de redes multi-institucionais de pesquisa que ampliariam o conhecimento sobre a biodiversidade amazônica, conduzindo inventários de forma planejada e coordenada e integrando as informações contidas nos acervos biológicos distribuídos na região.

A demanda crescente por informações acerca da biodiversidade amazônica e o incremento das atividades de inventário biológico da região, decorrentes não só do PPBio mas também de outros programas, trouxe a necessidade de que as instituições da região mantenedoras de acervos biológicos estruturassem adequadamente suas coleções para que o material coletado fosse adequadamente preparado, armazenado, conservado e identificado. Essas instituições deveriam estar capacitadas para organizar, gerenciar, integrar e disseminar a informação sobre a biodiversidade para múltiplos usuários. Em suma, as coleções biológicas  devem ser qualificadas como repositórios e disseminadoras de informações qualificadas e fidedignas sobre a biodiversidade da Amazônia.
 

coleções biológicas e acervo cientifico do INPA.

O PPBio e as coleções biológicas na Amazônia