Infraestrutura Módulo KM 220

Acesso

As condições da estrada até o módulo são razoáveis até a ponte do Tupana, após a travessia é recomendado uso de carro tracionado. A partir de Manaus são aproximadamente 220 km de estrada asfaltada com buracos, intercalada com alguns trechos de terra. É necessário atravessar a balsa do Ceasa em Manaus (R$35,00) para chegar ao módulo.
 
Condições das trilhas e acampamentos
 
As trilhas foram abertas em 2007, limpas em 2009 e não foram novamente limpas desde então. Atualmente não há acampamento no módulo 04 pois este foi atingido pelas grandes queimadas que ocorreram no ano de 2015 na região. Antes de programar a sua visita, consulte gerencia.ppbio@gmail.com quanto às condições do acampamento e disponibilidade de vagas. Neste modulo a primeira parcela em cada uma das trilhas esta localizada a 500m da estrada então convencionou se chamá-la (-500).
 
 
 
O que há nas redondezas?
 
Para quem sai de Manaus no sentido Porto Velho, o M04 fica 27 km depois da ponte rio Tupana. A trilha que vai até o acampamento fica do lado direito da pista (lado oposto ao que está o módulo) e é acessada por uma pinguela localizada após um bueiro a cerca de 500m depois da torre da Embratel (Levi). A trilha norte do módulo pode ser acessada por uma capoeira localizada a cerca de 300m antes da torre de Levi, do lado esquerdo da pista. A trilha sul fica a aproximadamente 1 km no sentido Porto Velho e está identificada por um cano com fita cor-de-rosa. A entrada das duas trilhas é bastante difícil de ser encontrada por pessoas que nunca visitaram o local, caso este seja o seu caso, carregue os pontos de entrada das trilhas e acampamento no seu GPS antes de visitar o módulo.
 
Onde conseguir água?
 
No M04 existe um poço sem caixaria de madeira cavado no fundo do acampamento, na beira de um igarapé temporário. Durante o período de seca, o poço e o igarapé secam e não há garantia de água potável nas redondezas. Quando presente, a água do poço deve ser tratada com algum tipo de desinfetante (como cloro) sempre que for usada para beber ou cozinhar. É recomendado levar cloro para jogar diretamente no poço também, pois este fica longos períodos sem uso e pode haver proliferação de insetos. Se for usar a água do poço para tomar banho lembre-se de fazer isso longe da caixaria do poço para evitar contaminação da água. Além disso, mantenha o poço fechado. O igarapé também pode ser usado para banho e lavagem de louça, mas é pouco recomendável pela presença de jacarés. Nos períodos mais críticos de seca pode ser usada uma lagoa marginal situada a cerca de 300m do acampamento no sentido torre para banho e lavagem de louças. Como esta água permanece muito tempo parada não é recomendável bebê-la mesmo quando tratada. Neste caso, a água potável para beber e cozinhar deve ser trazida da cidade ou de outro módulo próximo.
 
Pessoal local
 
Nas proximidades do M04 não existem moradores fixos, desta forma, se você vai precisar de alguém deve trazer de outro local. Existem várias pessoas no Castanho que já prestaram algum tipo de serviço para o projeto e você pode consultar os demais pesquisadores que já trabalharam na região para indicações.
 
Se precisar de ajuda
 
Se for necessário sair em busca de provisões e contato telefônico, as opções são o município do Careiro-Castanho (90 km sentido Manaus) e a comunidade do Igapó-Açu (50 km sentido Porto Velho). Além disso, na torre da Embratel (500m antes do acampamento no sentido Manaus), se houver algum funcionário, é possível ter acesso a um telefone para chamadas externas ou um rádio para comunicação entre torres. No município do Careiro-Castanho existem alguns mercadinhos, bancas de frutas e verduras, telefones públicos, posto de gasolina, ag6encia dos correios, lan-house, restaurantes, lanchonetes, farmácia, hospital, delegacia de polícia, banco Bradesco, loja de material de construção e agropecuário, etc. O sinal de celular da Vivo e Claro também funciona, mas nem sempre. Nota e cupom fiscais podem ser obtidos para alguns produtos e serviços caso você não tenha pressa e muita paciência. Apesar de mais próxima do módulo, o tempo de viagem até a comunidade do Igapó-Açu pode ser superior ao tempo de viagem ao município de Careiro-Castanho (onde o acesso a telefone e mantimentos é garantido) por conta das condições da estrada. Na comunidade do Igapó-Açu é possível comprar alimentos básicos (arroz, feijão, farinha, açucar, café e peixe), há um telefone público (que nem sempre funciona), mas não há onde comprar cartão telefônico. No igapó-açu, mantimentos são vendidos antes e depois da travessia do rio Igapó- Açu. Os produtos são evidentemente mais caros do que o normal e não é possível obter comprovantes fiscais. O telefone público (0219244007682) fica depois da travessia. Do outro lado, na margem esquerda, existe um restaurante e duas opções para pernoitar: uma é o chapéu de palha da comunidade que ao lado do orelhão e pode ser usado sem custos; a outra opção é a hospedagem do seu Raimundo, que fica ao lado do restaurante (uma casa verde logo acima do desembarque da balsa). Se for usar o chapéu de palha é recomendado o uso de mosquiteiro, pois existem muitos casos de malária na comunidade do Igapó-Açu.
 
Termo de compromisso e normas de conduta
 
Antes de ir para o campo, você deve baixar, ler e assinar o Termo de Compromisso e Normas de Conduta da BR-319 e enviá-lo para a Gerência PPBio no email gerencia.ppbio@gmail.com.
 
 
 
Baixe o SIG oficial com todos os pontos ao longo da BR-319: Shapefiles Módulos BR-319
 
Contato:
Maria Aparecida de Freitas
Gerência PPBio
Coordenação de Pesquisas em Ecologia
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia