O sitio de amostragem de Anavilhanas é uma grade virtual, composta por linhas equidistantes 3 km traçadas sobre uma imagem georeferenciada de escala 1: 900.000 m do arquipélago de Anavilhanas. Onde esta grade cruzou ilhas, os pontos foram considerados unidades amostrais. Foram assim delimitadas 84 unidades amostrais, sendo que as unidades amostrais são representadas por transectos que cruzam as ilhas de forma perpendicular ao seu comprimento. Os transectos foram sempre dispostos perpendicularmente a ilha de maneira a cobrir o gradiente topográfico que vai da borda ao interior das ilhas. Todos os transectos foram georeferenciados e indicados por placas no começo de cada trilha.
 

O arquipélago de Anavilhanas é um dos maiores arquipélagos fluviais do mundo com 400 ilhas ou mais, variando de acordo com o nível de água do rio em consequência do pulso de inundação. A variação cíclica do nível da água pode ocilar em até 10 metros entre os períodos de vazante e enchente, sendo que o período de cheia vai de outubro à março e de seca vai de abril à setembro. O arquipélago está inserido no interior de uma unidade de conservação federal que mudou recentemente da categoria de Estação Ecológica para Parque Nacional, incorporando a questão do uso público em seu plano de manejo. O Parque Nacional de Anavilhanas, localiza-se no rio Negro cerca de 40 km acima da cidade de Manaus é administrado pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), com sede no município de Novo Airão. Há no arquipélago dois flutuantes e uma base terrestre para apoio à fiscalização e pesquisa. Essas estruturas estão localizadas próximo ao lago do prato, rio Baipendi e na foz do rio Apuaú.
 

As ilhas são alongadas havendo um lado de deposição de material proveniente do rio Branco e uma região de barranco escavada pelas águas do rio Negro. Por serem banhadas por água preta as ilhas possuem um tipo de floresta conhecida como igapó. O igapó é caracterizado por apresentar solo encharcado e excessivamente ácido com abundância de matéria orgânica em decomposição. A fisionomia da vegetação das ilhas varia conforme o tamanho das mesmas. As ilhas maiores apresentam em média, três estratos, com árvores de porte elevado, sem tortuosidades; o estrato mais alto têm árvores de aproximadamente 25 m e emergentes acima desse limite. As ilhas menores apresentam em geral vegetação de porte inferior que estão sujeitas a ficarem totalmente submersas durante a cheia.
 
Estudos sobre a exploraçao madeireira
 
Algumas espécies arbóreas presentes nas ilhas são muito utilizadas no mercado de madeira leve, para produção de compensados e na construção civil. O fato dessas árvores estarem presentes em grande quantidade na área e o arquipelago estar próximo a Manaus, o principal mercado consumidor, levou o arquipélago de Anavilhanas a ser ilegalmente explorado por décadas. Devido ao histórico de exploração ilegal de madeira na região e da dificuldade de fiscalização, os analistas ambientais Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) consideraram o controle dessas atividades como principal desafio para manter a intregridade da Unidade de Conservação e por isso solicitaram a pesquisadores ligados ao PPBio que fosse realizado um projeto para levantamento de dados sobre a distribuição espacial das espécies mais exploradas e da exploração ilegal e sobre os efeitos da exploração nas populações dessas espécies. Este estudo deu origem à grade virtual de pesquisas em Anavilhanas.
 
Metadados
Orientações para facilitar a pesquisa no repositório: na página de busca do link acima digitar a palavra chave: Anavilhanas
 
Infraestrutura
 
Contato
Dr. William E. Magnusson
Coordenação de Pesquisas em Ecologia
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

 

Arquipélago de Anavilhanas