Sítio PPBio tem ferramenta online para identificação de espécies

Uma das maiores limitações para o desenvolvimento de estudos básicos ou aplicados na Amazônia é o acesso a material de referência para identificação de espécies. Quem se aprofunda no conhecimento sobre a biodiversidade da região logo se depara com desafiadoras chaves de identificação muitas vezes incompletas e desatualizadas, além de pouco ilustradas e com de linguagem técnica.
A Chave de Identificação de Samambaias do Uatumã - Amazônia Central (de Gabriela Zuquim, Hanna Tuomisto, Jefferson Prado e Flávia Costa) é uma ferramenta online para fácil identificação deste grupo de plantas. Com base no Guia de Samambaias e Licófitas da REBIO Uatumã – Amazônia Central, publicado pelos mesmos autores em 2008, a chave é um exemplo de como se beneficiar das novas tecnologias para modernizar a ciência e facilitar o acesso ao conhecimento. Ricamente ilustrada, os termos científicos podem ser facilmente compreendidos através de descrições, ilustrações e fotos.

Além disso é um exemplo de quão produtiva pode ser a colaboração entre ecólogos e taxônomos, que essencialmente possuem visões complementares sobre a biodiversidade. Dentre os autores, Jefferson Prado (Instituto de Botânica, IBt-SP) é o mais experiente em taxonomia. Ele foi fundamental para sustentar o processo de identificação das espécies que ocorrem no Uatumã. Contudo, Gabriela Zuquim (PPBio/INPA, atualmente na Universidade de Turku, UTU), Flávia Costa (PELD/INPA) e Hanna Tuomisto (UTU) são ecólogas na maior parte do tempo e possuem muita experiência em campo, fornecendo aos leitores informações únicas sobre como observar características das plantas.
A elaboração da chave contou com o apoio fundamental das Universidades de Helsinki (UH) e Turku (UTU), ambas na Finlândia e do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio). Publicada somente em inglês, a chave trata de 120 espécies encontradas na grade do PPBio instalada na Rebio Uatumã e arredores. A coleta e registro fotgráfico das espécies foi realizada entre 2006 e 2008 e contou com o apoio do CNPq e do ICMBio.
Comentários, dúvidas etc podem ser feitos através do e-mail fernguide@gmail.com.
 
Veja também: