Brilhos na Floresta

 

  As línguas portuguesa, japonesa, inglesa e nheengatu.  

Este livro está publicado nas línguas portuguesa, japonesa, inglesa e nheengatu. No Brasil, são faladas entre 160 e 180 línguas indígenas, recursos didáticos são importantes para a valorização e manutenção de línguas e culturas. Esperamos que este livro possa contribuir nesse processo para os povos indígenas.

back page
  A língua tukana  
Brilhos-na-Floresta-Tukano

Esta edição do livro "Brilhos na Floresta" foi traduzida do idioma português para o idioma tukana. A língua tukana é falada por cerca de 7000 pessoas, principalmente na região de Alta Rio Negro.

  Língua espanhola  
Brillos-en-el-Bosque.jpg

 

Inicialmente, este livro foi publicado em português, japonês, inglês e nheengatu. Depois foi publicado na língua tukano, porque no Brasil são faladas entre 160 e 180 línguas indígenas e os recursos didáticos são importantes para a valorização e manutenção da língua e da cultura.

 
O livro "Brilhos en el Bosque" chega às mãos do público de língua espanhola, um dos maiores do planeta. Este livro contém o registro feito por pesquisadores, caboclos e indígenas, observando pela primeira vez fungos bioluminescentes nos arredores da cidade de Manaus-AM. Traz uma mensagem motivadora para crianças, adolescentes e jovens, curiosos em desvendar os segredos da natureza, e mostra o interesse dos autores em romper muitas das barreiras que ainda surgem em relação à difusão do conhecimento, sendo a linguagem a mesma. É um livro que surge em defesa da natureza e da Amazônia.
  O idioma Huarpe  
Brilhos_huarpe.jpg

 

O livro foi traduzido para o idioma Huarpe por Carlos Reinaldo Villegas, um líder jovem da comunidade Pynkanta Huarpe na província de San Luis, Argentina.
 
Atualmente, o povo Huarpe está localizado nas províncias de San Juan, San Lius e Mendoza, no centro leste da Argentina. Sua linguagem está, neste momento, em um estado de proteção, recuperação e atualização pelas comunidades do território, que defendem a restituição de direitos aos povos indígenas e a revitalização de sua visão de mundo. Esse idioma foi registrado em três cidades: na parte noroeste do território, Iliaman Allientiac, no sudoeste, Iliamada Milcallac e ao leste em Nanay Ayenkayak'ta, onde o idioma é falado por cerca de 40 pessoas.
  A lingua Baniwa  
Brilhos_baniwa
Esta edição do livro "Brilhos na Floresta" foi traduzida da lingua Portuguesa para a lingua Baniwa por Moises Luiz da Silva e revisada por André Baniwa, ambos da etnia Baniwa. Moises é do cla Hohodeeni mora na Comunidade Itacoatiara-Mirim, localizada na calha do Rio Negro e André do cla Waliperedakeenai, nasceu na Comunidade Tucumã Rupitá localizada na calha do Rio Içana. Ambas localidades situam-se no Município de Saõ Gabriel da Cachoeira no Estado do Amazonas. Atualmente André mora em Manaus.
 
A língua Baniwa é falada por cerca de 7000 pessoas no Brasil. Pricipalmente na região do Alto Rio Negro. É uma das quatro línguas co-oficiais de São Gabriel da Cachoeira.
Brilhos_baniwa_back
  A língua francesa  
Após as edições em português, nheengatu, japonês, inglês, tukano e espanhol do livro Brilhos na Floresta, a versão em francês está chegando ao público de língua francesa. Este projeto inovador visa levar o conhecimento científico a um grande público, moradores urbanos da cultura ocidental e habitantes indígenas dos rios e florestas do Brasil, unindo povos de diferentes culturas e histórias, de acordo com os desejos dos autores. Este livro também é uma homenagem a um de seus autores - Aldevan Baniwa - vítima do Covid-19 em abril de 2020.