Fungos Amazônicos

Atividade antibacteriana de Lentinula raphanica coletada na Amazônia Central
 
Esta pesquisa investiou a a resistência antibacteriana de fungos coletados em diferentes locais, a fim de determinar quais são mais resistentes a temperaturas elevadas e aos efeitos de contaminantes. Isso deve ajudar na seleção futura de L. raphanica mais resistente, determinando se há variação genética e reduzindo problemas com a produção comercial futura desse fungo comestível.

A pesquisa concluiu que a atividade antibacteriana foi observada em todas as temperaturas e que existe uma variabilidade genética possível entre as amostras, o que indica o potencial para selecionar os isolados mais resistentes à contaminação para futura produção comercial.

​​Este é o primeiro registro de atividade antibacteriana em Lentinula raphanica.

 

Treinamento no uso do livreto de identificação de macrofungos "Instruções para a coleta dos macrofungos Agaricales e Gasteroides"

A floresta amazônica é um dos locais mais diversos para espécies de fungos do mundo. Os fungos são fundamentais por seu papel na decomposição do material orgânico e por suas interações endofíticas e parasitárias micorrízicas na manutenção e equilíbrio do ecossistema. Portanto, é necessário fortalecer o conhecimento disso nas comunidades locais e na comunidade científica.

Os cursos de treinamento em macrofungos da Amazônia, patrocinados e organizados pelo INCT/CENBAM, para professores e alunos de escolas públicas, foram iniciados em 2010 para interromper o ciclo; "Nós não ensinamos sobre macrofungos porque não sabemos sobre macrofungos porque não fomos ensinados sobre macrofungos ...",

Um dos objetivos do CENBAM é treinar recursos humanos em vários níveis.

 

Atualizações na filogenia da ordem Phallales (Phallomycetidae, Bastidiomycota)

Os fungos falóides (ordem Phallales) são caracterizados por seu trato mucilaginoso, onde os esporos são formados e exalam um odor desagradável que atrai agentes dispersantes, principalmente insetos (Leite et al., 2007). A filogenia mais atualizada proposta para a ordem data de 2014 e inclui gêneros e espécies tropicais e subtropicais, subdividindo a ordem em seis famílias com alto suporte filogenético: Clathraceae, Claustulaceae Gastrosporiaceae, Lysuraceae, Phallaceae e (Trierveiler-Pereira et al. 2014).

No entanto, as relações entre os gêneros dentro de cada família ou a delimitação taxonômica entre os táxons são conflitantes, o que resulta em um grande número de sinônimos para a ordem. Isso se deve em parte à dificuldade em caracterizar morfologicamente os táxons, devido à escassez e plasticidade dos caracteres diagnósticos. Além disso, a natureza efêmera dos basidiomas dificulta a preservação dos caracteres macroscópicos após a desidratação.

O presente trabalho tem como objetivo atualizar a sistemática de grupo por meio de uma filogenia baseada em dados moleculares, com ênfase no posicionamento de espécimes recentemente coletados na Amazônia.

 

Produção de fungos comestíveis na região de Manaus. (Lentinula raphanica em Bertolletia excelsa)

O projeto de cultivo de fungos brasileiros que ocorrem naturalmente começou em 2012 com a espécie Lentinula raphanica. Troncos de castanheiro de áreas reflorestadas foram utilizados como meio de cultivo. As técnicas foram baseadas no cultivo de cogumelos shiitake que utilizam Quercus spp. no Japão e Eucalyptus spp. no Brasil.

As primeiras culturas foram cultivadas em viveiros à sombra das folhas das palmeiras. No entanto, o retorno foi pequeno devido à interferência de ataques de insetos, altos níveis de contaminação e perdas no processo de pós-coleta, o que levou a equipe a estudar novas alternativas para o local de cultivo.

 

Como os fungos são usados ​​na comunidade Itacoatiara-Mirim de São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, Brasil

A comunidade multiétnica indígena Racoatiara-Mirim - principalmente Baniwa - está localizada a aproximadamente 10 km da cidade de São Gabriel da Cachoeira (Amazonas). Há algum tempo, essa comunidade grava, restaura e divulga seus conhecimentos tradicionais.

O livro "Ana Amopo: Cogumelos Yanomami" foi escrito por pesquisadores indígenas da Terra Indígena Yanomami e relata várias histórias passadas de geração em geração a respeito do uso de cogumelos na comunidade de Itacoatiara Mirim.

Os líderes comunitários estavam interessados ​​em registrar essas informações, com a intenção de divulgá-las na comunidade e além das fronteiras de São Gabriel da Cachoeira e contataram pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), convidando-os a realizar um workshop sobre colheita dos cogumelos com a participação de 18 pessoas da comunidade.

Os cogumelos foram coletados durante uma visita guiada às florestas e jardins comunitários, que mostraram onde encontrá-los e demonstraram como os cogumelos eram usados. O material foi enviado ao INPA e os espécimes foram identificados em nível de espécie por análise de caráter macroscópico. Os espécimes também foram representados por desenhos manuais da comunidade. Foram identificadas nove espécies de cogumelos comestíveis conhecidos usados ​​pela comunidade para alimentação, incluindo as espécies Auricularia cf fuscosuccinea (Mont.) Henn., Auricularia delicato (Mont. Ex Fr). Henn e Lentinus concavus (Berk.) Canto.

As espécies do gênero Auricularia são consumidas em vários países, principalmente na China e no Japão e por povos indígenas da Colômbia, Peru e Venezuela e no Brasil, o gênero Auricularia foi registrado para os povos Taicão (lkpeng) e Taucarramãe (Caiapós-mecranotis). )

A espécie L. concavus também é consumida pelos Yanomami. A espécie de cogumelo Pycnoporus cf. sanguineus (L) Murrill é usada pela comunidade como chá para tratar dores de barriga, o que também é relatado pelos indígenas africanos.

 

Livros infantis sobre macrofungos: disseminação e popularização da micologia ambiental da Amazônia

Os fungos desempenham funções ecológicas vitais essenciais para a manutenção das florestas devido ao seu papel na reciclagem de nutrientes e na decomposição de material orgânico e em suas associações micorrízicas, parasitárias e endofíticas.

No entanto, durante o desenvolvimento acadêmico, os alunos aprendem muito pouco sobre as funções ecológicas dos fungos, com muito mais ênfase sendo dada à sua importância econômica para os seres humanos.

"Embaúba: uma árvore e muitas vidas." - Este primeiro livro tenta solucionar esse desequilíbrio, mostrando a relação micorrízica entre a árvore Embaúba (Cecropia spp.) e os fungos. Publicado em 2016 nos idiomas português, inglês e japonês.

"Brilhos na floresta". - Este livro enfoca os fungos bioluminescentes pouco reconhecidos que só podem ser vistos no escuro. Foi traduzido para 4 idiomas: português, inglês, japonês como acima, e também o indigino Nheengatu.

 

Micoturismo na Reserva Adolpho Ducke

O Micoturismo é um estudo integrado de micologia e turismo para auxiliar na conservação e proteção de macrofungos.

 

Os fungos das formigas zumbis transformam seus hospedeiros em buscadores de luz?

Parasitas especializados podem modificar o comportamento do hospedeiro para beneficiar a transmissão e a reprodução. Esse comportamento é considerado um fenótipo extenso do parasita. As interações entre certas espécies de formigas e fungos do gênero Ophiocordyceps formam um exemplo evidente.

 

O Grupo de Pesquisa Inpa encontra 17 novas espécies de cogumelos na Amazônia (Baixar)

Pesquisadores descobrem novas espécies e gêneros de cogumelos coletados na floresta amazônica, além de estudar possíveis espécies comestíveis e antimicrobianas. O estudo foi patrocinado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam).

Os cogumelos são uma alternativa economicamente viável para seu uso potencial na indústria de alimentos e por ser uma fonte promissora de compostos ativos para o desenvolvimento de bioprodutos farmacêuticos. Além disso, eles podem ser usados ​​na produção de artesanato, como a espécie Përɨsɨ, uma estrutura de fungo semelhante à fibra usada pela comunidade indígena Yanomami na região de Maturacá, no Amazonas, que serve para fazer cestaria.

O projeto “Macrofungos da Amazônia: Taxonomia e Triagem de Espécies Comestíveis e / ou Produtores de Compostos Antimicrobianos” foi coordenado pela pesquisadora Noemia Kazue Ishikawa e foi desenvolvido principalmente no Laboratório de Microbiologia de Alimentos e no Herbário do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), com diversos parceiros no Brasil e em outros países, e apoiado pelo Programa de Apoio à Pesquisa (Universal Amazonas), edital nº 030/2013.

 

Espécies

O estudo começou com a coleta de mais de 2.000 amostras de cogumelos de várias regiões da Amazônia. Este trabalho de análise morfológica de cogumelos foi realizado pelos taxonomistas de fungos do Grupo de Pesquisa em Cogumelos da Amazônia Inpa, Jadson José Souza Oliveira e Tiara Sousa Cabral, entre outros.

Dessas 2.000 coleções, o grupo de pesquisa conseguiu identificar dois novos gêneros: Pusillumyces gen.nov. e Sclerocarpum gen.nov. e outras 15 novas espécies de macrofungos. Além de descrever espécies desconhecidas, o grupo estudou 27 espécies de cogumelos comestíveis e 23 espécies com atividade antimicrobiana.